Arquivo da categoria: Entrevistas

Na estreia do blog, entrevista especialíssima com o Solanum Lycopersicum, vulgo Lycopersicon Esculentum…

Imagem
Luís Henrique e João Vítor exclamam: “Papai, compra um tomate pra nós?!”

Bem no meio do caminho de Carminha e Nina, eis o vilão enrubescido: o “nosso” tomate… E “nosso” entre aspas mesmo, pois no preço que está, é tudo, menos nosso.. 

  

2bytes – Fala, amigo. Pro seu lado deve estar tudo em paz. Desejado, querido, idolatrado. Mas de dificílimo acesso, hein?!

Solanum Lycopersicum – Mas não é culpa minha, camarada. O que posso fazer se a produção diminuiu, faltou água, o tratamento que exijo é algo inusitado?

– Tou sabendo. Dizem até que se a mão que encosta em você tem resquício de cigarro, ou seja, é mão de fumante, você sente, é verdade?

– Tenho que admitir. Mas isso não é frescura minha. Sou muito sensível a várias pragas e doenças.

– E por que você é tão vermelhinho assim? Está enrubescido por causa dos 7 reais o quilo?! Te ver e não te querer é improvável, é impossível. E te ter e ter que esquecer é insuportável, é dor incrível. E mais: quando você me deixou, meu bem, me disse pra ser feliz, e passar bem…

– O vermelhinho é o licopeno.

– Que coisa é essa, rapaz?!

– É uma substância que combate os radicais livres por meio de sua ação oxidante. Entendeu?

– Entendi nada. Mas tudo isso é frescura.

– Não, não é.

– Ah, não?! É o que é, então? Olha só, você se chama tomate, e no mercado está Tomate Carmen e Tomate Débora. Que papo é esse, mano? Você é a Carminha da novela? Car-mi-nha, Car-mi-nha!!!

– Sai pra lá, rapaz! Pegou no meu ponto fraquíssimo. Já pedi pra me chamarem de Tomate Hulk e Tomate Homem-Aranha, mas ficam nesse papo de Carminha pra cá, Débora pra lá. Não gosto nada…

– Meu chapa, agora veja na foto. Já estava caro, vieram os caras do Extra e colocaram preço maior em cima! Olhe o rostinho desolado dos meus meninos, você não tem piedade?

– Eu sei, seria incapaz de uma maldade contra rostinhos tão famintos e carentes.

– Solanum, você tem ideia do que é passar pelo constrangimento de chegar ao caixa do supermercado com somente dois da sua espécie dentro do saquinho plástico?! Isso é uma vergonha pra um pai de família.

– Tente, por enquanto, outras alternativas. Aqui na minha família mesmo posso lhe sugerir: tem o jiló, o…

– Como é que é?! Tiro o tomate e coloco jiló?! Ei, vai te tomate, rapaz… Estou ficando nervoso, esta entrevista está tomando um rumo inesperado. Eu te amasso!

– Então procure o tomate-cereja, aquele pequenino, que é meu sobrinho. Ou então vá pra Espanha, naquela festa do tomate, que eles chamam de Tomatina.

– Estou sem grana pra comprar um quilo seu, você quer que vá para a Espanha?! Eu te pego, seu… seu…

– Calma, amigo, calma, sou amigo, tomate também é gente.

– Estou terminando meu desabafo tomatal. Mas até o quetechupe, que adoro colocar na pizza, está em falta. Sexta-feira fui com a turma comer uma pizza ali no Cambuci e não tinha quetechupe. O cara falou que faltou tomate, faltou quetechupe. E eu não coloco azeite na pizza, só quetechupe. Será que esse galho você tem como quebrar?

– Isso é mais fácil. Arrumo quem pode lhe dar um quetechupe e você alivia a minha barra, combinados?

36 Comentários

Arquivado em Entrevistas